Paranaíba FM

A Rádio

“Os covardes nunca tentaram. Os fracos desistiram no meio do caminho. Só os fortes atingiram este lugar”. Estas palavras estão escritas nos cimos dos Alpes Suíços e definem bem o preço do triunfo. Se olhares atrás, a história da Rádio Paranaíba também pode ser assim definida.

A força do rádio está sobejamente comprovada, pela sua própria existência, cada vez mais dinâmica. Veja a sua mutação evolutiva, objetivando a sua atualização.

Prazerosamente aqui comparecemos para testemunhar esta verdadeira metamorfose, ocasião que agradecemos o atencioso convite para contar uma parte da sua história.

Para tanto, devem ser lembrados aqueles nossos parceiros que contribuíram para que esse legado pudesse chegar vitorioso, pois muitos dos que estão aqui hoje dando a sua valiosa colaboração, ainda nem nascidos eram.

Vale rememorar aquele pequeno transmissor de l00 watts, que cumpriu guerreiramente a sua destinação, ao enfrentar as terríveis oscilações da energia elétrica.

Falar sobre a organização de uma estação de rádio no interior, é quase um eterno repetir as suas dificuldades.  É o que pretendemos resumir, procurando mostrar as peripécias e percalços percorridos.

De um pequeno “Serviço de Alto Falante” instalado no Bar Ponto Chic e depois no Cine Vany, que funcionava transmitindo ondas sonoras de uma mini rádio.

Aí, nos idos de 1954  veio a motivação para instalação de uma rádio de verdade,  pois era revendedor de uma firma que vendia tais aparelhos que de vez em quando mandava seus prospectos.

Feitos os primeiros contatos, incontinenti lançamos a ideia de subscrição de ações para formar a empresa.

Organizamos a diretoria que ficou assim constituída, José Resende Vargas e Adhalardo França Filho, Diretores. Membros do Conselho Fiscal Dr. Marcondes José da Silva, Sinval Boaventura e Múcio Abreu.

Batemos de porta em porta, à cata de uma ação da S/A Rádio Clube Paranaíba, já que facilitava a participação de acionistas. Surgiram manifestantes de apoio, mas também começou a incredibilidade, dizendo da sua impraticabilidade.

 Alguns compravam para nos agradar e incentivar. Conseguimos um capital inicial de CR$200.000,00, que todavia foi insuficiente. Conseguimos  aumentá-lo para CR$360.000,00, que devido à inflação também não deu.  Faltaram a torre, a discoteca e   algumas   instalações.   Mas enfrentamos.

Para tanto, tomamos todas as providências, na aquisição da aparelhagem e organizar o restante da documentação oficial, que foi um sufoco.

Instalamos os aparelhos com antena provisória, tendo vindo o Técnico Godofredo de Araxá.  Depois de terminada a instalação e feitos os testes, me passaram o microfone que o recebi muito nervoso, pois não havia preparado nenhum pronunciamento. Mas como já tinha uso dele, o utilizei falando de improviso, algumas palavras que ainda lembro: “Senhoras e Senhores ouvintes, boa noite. Esta e a Rádio Clube Paranaíba, que a partir deste momento passa a transmitir testando o equipamento, na frequência de 1,5l0 kHZ de seu estúdio instalado na Rua Atanásio José Gonçalves 158, de Rio Paranaíba, Minas Gerais.  Ai passamos a transmitir em caráter experimental, logo que chegou o esperado prefixo, que demorou bastante, devido a burocracia.

Recebida a autorização para aferição do cristal de frequência por 10 dias, transmitindo em horário noturno, para obtenção do prefixo.

Ao chegar a inauguração marcada para o dia 19/01/1958, um acontecimento esperado com muita ansiedade pela cidade, pois era  um  orgulho para o nosso povo. Foi destacado no “Jornal dos Municípios de Patos de Minas” dando uma cobertura que o vizinho município de Rio Paranaíba viveu momentos de intensa vibração com solenidades comemoradas com grande pompa com a presença das mais altas autoridades e povo daquela cidade e representações das vizinhas cidades.

As solenidades tiveram início às 14 horas, quando pronunciou o seu discurso o Deputado Emiliano Franklin de Castro, sob expectativa geral. Anunciou, pela primeira vez oficialmente, o prefixo ZYV-58, e exaltou o evento que a cidade estava recebendo e que representava empreendimentos sociais e econômicos para sua terra natal.

O diretor da Rádio Dr. Adiron Gonçalves Boaventura, em nome da emissora falou que jamais animaram os idealizadores deste empreendimento o propósito de só valer-se da exploração comercial ou econômica. Tinha sim, em primeiro plano, trazer cultura, arte e desenvolvimento, que por certo alçará arrancada para o progresso que a cidade tanto aspira. Enalteceu ainda a inciativa dos idealizadores do projeto, pelo arrojo, obstinação e coragem de levar avante tal empreitada. Teceu considerações sobre o apoio e cooperação recebidos das autoridades e da comunidade, afirmando que a ZYV-58 seria  um traço de união entre as cidades vizinhas.

Logo após, seguiu o “Show” oficial da emissora o qual contou com a participação de elementos locais tendo o comando do locutor Patrício Filho da ZYB-4 de Patos de Minas. Às 20 horas, nova programação de auditório com participação do “cast” artístico da rádio, que para tal tinha programado com muita ansiedade. Tudo isto animado pelo excelente Conjunto Maria Rosa, sob a batuta de Cícero Nunes Campos, que com muita maestria conduziu os alegres momentos com muita animação, culminando com um grande baile, que prolongou até tarde da noite. Ali estavam presentes os convidados e a sociedade rioparanaibana, abrilhantando o evento.

Com saudades e recordações lembramos do “cast” e demais destaques que participaram, cujos nomes estão omitidos por falta de espaço. A rádio e a cidade foram caminhando em passos de expectativas, pois estávamos numa época em que se implantava o canteiro de obras, para a construção da então MG-8, quando houve um alentado progresso e desenvolvimento. Depois dos momentos de sua euforia, voltou à normalidade.

Foram ocasiões de expectativas, devido as dificuldades que foram surgindo, inclusive com o declínio de anúncios, agravados pela inconstância da energia elétrica, além de ser racionada, danificavam os equipamentos. Mas vale ressaltar que o valoroso transmissor de 100 watts aguentou com certa galhardia. Claro que havia necessidade de algumas correções e reparos técnicos.

A tábua de salvação da rádio era  a colaboração recebida de voluntários e dos ouvintes que entenderam a situação aceitando a ideia dos famosos “presentes musicais” que eram oferecidos por ocasião de aniversários ou datas festivas, mediante o pagamento de uma taxa que muito contribuía para a receita. Era uma verdadeira família a cooperação.

Os programas dominicais ao vivo, que nós apresentávamos, transmitidos do Cine Vany (que patrocinava os prêmios), eram concorridos. Contava com a colaboração especial do Conjunto Maria Rosa e dos animadores José Maciel e Henrique Lins. A fase crítica melhorou com o advento do fornecimento da energia elétrica. Mas ainda não era viável os seus rendimentos que nos obrigava a carregar “água no balaio”. Outras dificuldades administrativas motivadas pelas vigorosas campanhas políticas, com cisões radicais, também impediam melhores resultados financeiros…

Em 1966, já cansados de tantas lutas inglórias, tivemos de “jogar fora a toalha” e partir em busca de outras plagas, outros objetivos, pois a família já tinha crescido. Era hora de novas decisões.

Talvez arrancando o coração pela corajosa atitude, tomada quando narramos ao decano Cleber nossa decisão ele ficou indeciso. Depois de uma amável conversa, ele relutou, mas entendeu a nossa atitude. Entregamos a ele as chaves, documentos e a incumbência de gerir a Rádio do modo e do jeito que achasse possível.  Por isso constatamos que enfrentou o bastão com muita competência e capacidade, dando todas as suas forças e destacado amor à rádio, para mantê-la. Quando agora ao aposentar por motivo de saúde, nós queremos agradecê-lo com muita sinceridade e amizade pelo que fez pela “nossa querida rádio”, pois sem  ele as coisas seriam mais difíceis.

Mais tarde o ex-prefeito Jaime Silva, depois de lutar muito, comprou a maioria das ações da Rádio. Após muitas discussões e entendimentos a  transformou na “Fundação José Resende Vargas de Rádio”, vinculada à Prefeitura Municipal. Aí  adquiriu um transmissor de 1.000 watts dando melhoria em seu equipamento e melhores  condições radiofônicas.

Vozes entusiasmadas ou outras com menos calor, nunca deixaram de dar a sua cooperação em prol da Rádio que era um orgulho para a cidade. Assim, encontrando o seu caminho para o seu desenvolvimento passando por vários diretores onde aconteceram vários capítulos de sua história.

 Ao fazermos esse registro, cumprimentamos os atuais Diretores Rogério Silva, e Célio Silva Boaventura.

Hoje as Rádios continuam prestando grandes serviços de utilidade pública, postando em sua página no FACE as notícias divulgadas por competentes locutores e jornalistas. Sentimentalmente, temos muito prazer em registrar esses acontecimentos embora sinteticamente. Inclusive a transmissão  ao vivo pela TV que foi uma grande evolução.

 Não cansamos de dizer, como seu fundador, a alegria de ter visto o seu crescimento, cumprindo as suas finalidades para as quais foi criada. O seu lema “Uma Voz a Serviço da Região” está ainda atuante, embora com novas denominações. Jamais poderemos olvidar daqueles que caminharam conosco nesta histórica jornada que deu certo, apesar das inúmeras crises e dificuldades.

Posteriormente, o ex-prefeito José Maria Rocha construiu a sede própria, onde era o Cine Vany. Depois na gestão do prefeito João Gutembergue de Castro foi instalada a Rádio Maximus FM e um transmissor novo de 5.000 Watts para a Rádio Paranaíba AM. Agora na gestão do prefeito Valdemir Diógenes da Silva, em decorrência de exigências governamentais ela foi migrada para a faixa de FM, frequência 99,50, com um transmissor cobrindo toda a região.

Mas agora aproveitando a oportunidade, quero fazer uma menção aos radialistas José Ivan e Arlivan Maciel, hoje aposentados. Aqui incluímos o nosso tributo aos outros funcionários, locutores, repórteres, jornalistas e demais cooperadores que estão aí cumprindo as suas funções com amor e competência, dos quais somos ouvintes assíduos.

 Finalmente uma palavrinha aos caros ouvintes pelo apoio e audiência. Parabéns a todos!

José Resende Vargas – Fundador da Rádio Paranaíba FM

Sair da versão mobile